Banner Local 01 728 x 90

Iphan aprova tombamento de terreiro de candombl√© do Recôncavo Baiano

Com quase um século de existência, casa em Cachoeira (BA) representa o candomblé rural

Por Jorge Matos em 01/03/2024 às 11:57:02
Foto: Divulgação / Iphan

Foto: Divulgação / Iphan

O Conselho Consultivo do Patrimônio Cultural aprovou, por unanimidade, no segundo dia de sua 103¬™ Reunião, realizada nesta quinta-feira (29), a inclusão do terreiro Il√™ Axé Icimimó Aganjú Did√™, em Cachoeira (BA), no Livro do Tombo Histórico, Etnogr√°fico e Paisagístico, como Patrimônio Cultural Brasileiro. O reconhecimento foi estabelecido devido ao valor histórico, cultural e ambiental da casa que existe h√° quase 100 anos.

A casa, que por muito tempo ficou conhecida em Cachoeira como o "terreiro de mãe Judith", em uma refer√™ncia à mãe de santo que a criou, esteve sob liderança de v√°rias gerações de líderes religiosos. Atualmente, "Pai Duda de Candola" é quem responde pelo espaço. O terreiro faz parte de uma rede importante de casas de candomblé na região, e tem grande significado para a memória dos povos iorub√° que chegaram ao Recôncavo Baiano.

Segundo o laudo antropológico que fundamentou o processo de tombamento, um dos aspectos que fazem do Icimimó um importante patrimônio cultural são as características do chamado candomblé rural, definido no documento como uma comunidade que "organiza sua pr√°tica religiosa em torno de dois eixos basilares: a terra e a casa". A paisagem natural, as √°reas de plantio agrícola e criações dos animais, as fontes e nascentes, além dos fitoter√°picos e do horto sagrado, juntamente com as edificações do local, formam um complexo envolto de significados sagrados para os praticantes da religião de matriz africana.

As quatro fontes de √°gua nomeadas de Olunda, Iyemonj√°, Oxum, Oy√°/Oxumare pelos seguidores deste culto são outro elemento que mostra a relação das pessoas com o território e o significado sagrado que o credo confere a cada elemento do espaço de 22 hectares em que est√° instalado o terreiro Icimimó.

Na condução dos trabalhos do Conselho Consultivo, o presidente o Iphan, Leandro Grass, ressaltou o car√°ter histórico deste reconhecimento na valorização das religiões de matriz africana.

J√° o superintendente do Iphan na Bahia, Hermano Queiroz, também presente na reunião do Conselho Consultivo, destacou que o tombamento do Terreiro Icimimó é a vitória contra o preconceito, o elitismo, o racismo e o etnocentrismo. "É a conquista dos povos de terreiro sobre os valores de suas identidades e memórias, bem como de seu território sagrado", continuou Queiroz.

Governança espiritual

As particularidades que fazem do Icimimó um Patrimônio Cultural Brasileiro vão muito além da riqueza cultural cultuada pelos praticantes da religião desde 1913, quando o local foi fundado. "Além de se pautarem pela hierarquia e pelo respeito à ancestralidade, submetem-se ao que Maria Alice Pereira, em trabalho recente, chama de "governança espiritual". No caso em tela, refiro-me à governança exercida por Aganjú Did√™, o orix√° de Mãe Judith, ao fazer plantar seu axé no alto da Terra Vermelha, redirecionando para esse espaço toda a comunidade", afirma o relatório produzido pela conselheira Marcia Genésia de Sant"Anna.

Para o ogã do terreiro, José Carlos Dias Matos, a conquista desse reconhecimento ajuda a fortalecer o trabalho do centro de culto. "Desempenhamos um papel importante não só para os frequentadores da casa, mas em todo o nosso papel na comunidade de Cachoeira, buscando diariamente fortalecer políticas públicas para melhorar a vida do nosso povo", afirmou José Carlos.

O desfecho da votação no Conselho deixou emocionado o pai de santo Antônio dos Santos da Silva, o Pai Duda de Candola, líder que est√° à frente do terreiro atualmente. "É uma vitória não só do Icimimó, mas de todo o povo de terreiro do Recôncavo Baiano e de nossa ancestralidade", declarou.





Fonte: Ministério da Cultura (MinC)

Comunicar erro
Banner Local 02 728 x 90

Coment√°rios

Banner Local 03 728 x 90